Chalk Outlines lança single novo com clipe.

Howlin' Records

Template

Chalk Outlines lança single novo com clipe.

O Chalk Outlines lança seu novo single “Gold” com direito a video clipe. Confira na matéria da Noisey feita por Eduardo Ribeiro e assista o novos clipe: http://noisey.vice.com/pt_br/blog/chalk-outlines-estreia-novo-clipe-gold

O Chalk Outlines é uma banda paulistana que está na ativa desde o comecinho de 2013, formada por integrantes de outro grupo, o H.E.R.O., que tocava hardcore. O H.E.R.O. era um quinteto, e quando o vocalista saiu, o grupo acabou e Bruno Palma (vocal e guitarra), Erick Barros (guitarra), Eduardo Zampolo (baixo e backing vocal) e Samuel Malentacchi (bateria) se juntaram com o objetivo de fazer um tipo de música que representasse todas as influências de cada um. Isso significa dizer que você vai encontrar muita coisa de hardcore, indie, punk, grunge e até pop de elevador nos sons dos caras. Espere por ressonâncias de Replacementes a Stone Roses, passando por Hüsker Dü, Tears For Fears, Midnight Oil e Soul Asylum.

O videoclipe de “Gold”, que o Noisey lança com exclusividade nesta terça (17), faz parte do terceiro single de uma trilogia que eles vêm promovendo desde 2013, tipo um esquenta para o álbum de estreia propriamente dito, que eles vão começar a gravar. “Moving On” saiu em 2013 e “Candy Dirty” no ano passado. No álbum, me disse o vocalista e guitarrista Bruno Palma, só vão entrar músicas inéditas. Os shows do quarteto já contam com 12 músicas. O próximo, com o gancho do lançamento deste single, será dia 22 de março, na Casa do Mancha, em São Paulo.

O carinha que aparece dançando todo montação aí no vídeo é o Marco Barreto. O Raul Fernandes, que estudou com o Bruno na faculdade e dividiu a direção com a Verônica Gubert, começou com a história toda. “A gente foi conversando sobre ideias e ele chegou nessa história de chamarmos uma drag”, o Bruno explicou. “Daí lembrei desse meu amigo, o Marco. Ele não é drag, é ator. E eu já falava sobre fazer algo com ele há anos. Ele adorou o convite. Ouviu a música, quis saber da letra e foi construindo essa drag. Ele foi montado pela Nina Fur, que é uma drag mesmo. Ela foi maravilhosa”, completou. A banda queria a autêntica performance de uma drag queen, com direito ao chamado lip sync (dublagem), uma coisa bem tradicional de show de drag. “Só que a gente queria que fosse uma coisa meio insana e bem intensa”, observou Bruno, “porque a história por trás da música vai por aí”.