#influencia: Dija Dijones

Howlin' Records

Template

#influencia: Dija Dijones

Dija está de volta. Agora para falar de sua ‪#‎INFLUENCIA‬ na guitarra d’O Apátrida. Segue a playlist: https://soundsgood.co/playli…/10-guitarristas-por-o-apatrida

Segura que lá vai:

1. Wayne Hussey (Dead Or Alive / The Sisters of Mercy / The Mission) – uma das maiores referências para guitarristas fãs de pós-punk e gótico oitentista. Trabalha muito bem arranjos com acordes abertos.

2. Robert Smith (The Cure / Siouxsie And The Banshees / The Glove) – esqueçam a maquiagem e o cabelo dele. O que ele tem de mais legal é o feeling para ir da euforia à depressão em poucos acordes.

3. Johnny Marr The Smiths / Electronic (band) / Modest Mouse / The Cribs) – um dos maiores guitarristas de todos os tempos e com um enorme trunfo: não é um guitarrista que faz solos. Faz no máximo alguns licks. Solar é fácil. Quero ver fazer o dedilhados intrincados que ele faz.

4. Bernard Summer (Joy Division / New Order / Electronic (band)) – em todas as bandas da qual participou, Summer era o músico menos talentoso. O que faz ele ser influente é justamente a maneira como ele se encaixa nos arranjos. Ele só faz o que é simples e o que funciona.

5. John McGeoch (Magazine (Band)) – o titular das 6 cordas nos primeiros e clássicos discos da banda do icônico Howard Devoto (ex-Buzzcocks). Seu estilo é a medida ideal entre o que se conhecia por punk e o que passaria a ser conhecido como pós-punk.

6. Kevin “Geordie” Walker (Killing Joke: Official) – Walker é um guitarrista tão peculiar que seu jeito de tocar influenciou James Hatfield e Kurt Cobain. Ora ele cria boas sequências de acordes abertos, ora faz temas simples, ora martela bons e econômicos riffs.

7. Will Sergeant Echo and the Bunnymen / Electrafixion / GLIDE – Sydney Band) – referência nos Bunnymen, saiu-se bem até tocando grunge no Electrafixion e desfila bom gosto com seu Glide. Considero ele um guitarrista subestimado.

8. Rikk Agnew (Social Distortion / Adolescents / CHRISTIAN DEATH OFFICIAL) – mais conhecido por tocar punk e hardcore, Agnew é um dos caras que ajudou a consolidar o estilo que o Christian Death criou, o deathrock, ao tocar e compor parte das músicas da pedra fundamental da banda, Only Theatre Of Pain.

9. Martin Gore (Depeche Mode) – habilidoso na utilização de teclados e sintetizadores, além de ótimo letrista, é outro cara que pensa a guitarra de um jeito diferente na hora de encaixá-la nos arranjos. Certas vezes, dá até para imaginar um teclado substituindo seus arranjos de guitarra. Isso é legal, faz com que se fuja do óbvio.

10. Andy Gill (Gang Of Four Official) – outro guitarrista que foi extremamente influente fazendo o simples. E quebrando coisas no palco também. Seja com acordes ou com aparelhos de microondas, ele está sempre disposto a causar estrago.